FRATERNIDADE AGOSTINIANA SECULAR

"SANTA MÓNICA"

 

fraternidade.jpg

 

A Fraternidade Agostinianan Secular é uma comunidade de leigos comprometidos a seguir Jesus Cristo e viver o Evangelho com o estilo próprio da espiritualidade Agostiniana, isto é: BUSCA DE DEUS EM COMUNIDADE, DESDE A INTERIORIDADE, A FORMAÇÃO E O SERVIÇO À IGREJA.

A Ordem de Sto. Agostinho pode ser apresentada de diversas maneiras.

Pode-se falar do seu carácter peculiar, da sua historia, da sua missão, do seu carisma... Porém antes de tudo e sobretudo a Ordem é constituída por pessoas, homens e mulheres, que, dito com palavras da Regra, “vivem juntos em concórdia, tendo um só coração e uma só alma para Deus”. São cristãos que, cativados pelo exemplo e a doutrina de Santo Agostinho, caminham juntos, enquanto constroem a sua casa e servem o Povo de Deus.

 

Porquê das Fraternidades Agostinianas?

No mundo actual há uma grande necessidade de partilhar, de dialogar, de escutar. A espiritualidade de todos os baptizados tem como objectivo o seguimento de Jesus Cristo. A espiritualidade Agostiniana considera o homem como espelho e reflexo de Deus. O ser humano "mistério e abismo, vasto e instável como o mar" sente-se vulnerável, necessitado de descobrir a Luz de Deus. A Confissão desta indigência radical traduz-se pela busca de Deus "Senhor, fizeste-nos para Ti e o nosso coração está inquieto até que descanse em Ti"  (Conf. 1.1). Este caminho de busca, Santo Agostinho considera-o em: COMUNIDADE.

 

UM MODELO CONCRETO DE FRATERNIDADE AGOSTINIANA SECULAR


I. COMUNIDADE DE FE. Busca da verdade pelo estudo. (Dimensão formativo-cultural para assimilar a mensagem cristã) - Análise da realidade com olhos de crente - Estudo bíblico e moral - Conhecimento de Santo Agostinho e sua mensagem - Conhecimento do mundo agostiniano.

II. COMUNIDADE DE ORAÇÃO. Orar e celebrar desde a interioridade. (Dimensão litúrgico-celebrativa para o diálogo pessoal e comunitário com Deus) - Expressão da Fé - Conhecimento e celebração da liturgia - Tempos de oração e celebração comunitários - Celebrar a Fé em família e com a comunidade - Calendário mensal e anual de retiros, convívios.

III. COMUNIDADE DE VIDA E MISSÃO. Estar com os outros através da missão evangelizadora. (Dimensão missionário-social para construir o Reino de Deus) - Clima interno de amizade, acolhimento e compreensão - Testemunho pessoal no seu ambiente de vida e de trabalho - Comunhão e compromisso com a Igreja local - Tempo de voluntariado dedicado aos demais - Conhecimento da doutrina social da Igreja e exercício prático da solidariedade - Colaboração com instituições (eclesiásticas, civis, ONGs…).

 

Quem é?

A Fraternidade Secular Agostiniana está aberta a todo o cristão que sinta esta busca de Deus como o fundamental de sua vida e deseje fazê-lo em COMUNHÃO com os seus irmãos.

 

A Família Agostiniana

A Ordem de Santo Agostinho é formada por:

a) Os Irmãos, professos e noviços, membros das diversas circunscrições da Ordem;

b) As monjas agostinhas de vida contemplativa, pertencentes a mosteiros da Ordem.

c) Os fiéis laicos ligados às Fraternidades seculares agostinianas, legitimamente erigidas por decreto do Prior Geral.

 

Estes três ramos, segundo as normas das Constituições e Estatutos pelos quais cada uma se rege, estão submetidas ao Prior Geral, quem compete estabelecer a fundação ou a supressão de comunidades e fraternidades, e ainda cuidar da redacção e aprovação de Constituições e Estatutos.

 

A Família Agostiniana compreende também, além destes três ramos, outros grupos:

a) Institutos religiosos, masculinos e femininos, legitimamente agregados à Ordem por decreto do Prior Geral,

b) Outros grupos de fiéis agostinianos. Ex. Um grupo que se reúne para estudar uma obra agostiniana.

c) Os fiéis laicos filiados na Ordem. Ex. Professores dos colégios agostinianos, membros de uma confraria, familiares de irmãos ou irmãs agostinianos.

A união destes grupos com a Ordem, é espiritual e de proveito mutuo. Todos estes, unidos por um estreito laço espiritual, constituindo um só corpo com santo Agostinho como Pai, seguem praticamente os mesmos ritos litúrgicos e participam quase sempre das mesmas graças espirituais; porém, sobre tudo, tendo uma só alma e um só coração para Deus, entregam-se ao mesmo compromisso e tarefa, “para a edificação do corpo de Cristo” (Ef 4,12).

Não faltavam cristãos que desejem viver a sua vida cristã inspirando-se na doutrina espiritual agostiniana. Assim nasceram os Institutos religiosos e as Fraternidades seculares.

 

Fraternidades Seculares Agostinianas

Segundo a chamada eclesiología de comunhão, muito recomendada pelo Concilio Vaticano II, e de profundas raízes agostinianas, partilhamos com os laicos a dignidade da vocação baptismal, a plena pertença à Igreja, e também a participação e a co-responsabilidade na missão da Igreja. Na casa comum do povo de Deus religiosos e laicos são chamados a viver a comunhão, cada um segundo a sua própria vocação. Para serem fiéis a esta eclesiología de comunhão, que o santo Pai Agostinho tão adequadamente desenvolveu, todas as circunscrições e comunidades devem integrar, nos seus programas e propostas de vida, a participação efectiva dos cristãos laicos em todo aquilo que, tendo presente esta eclesiología e espiritualidade agostiniana, a Ordem deve promover e fomentar.

 

Preocupação com toda a Família Agostiniana

Do que foi dito depreende-se que todos nós formamos uma só família que tem Santo Agostinho por Pai, cuja união se promove com a ajuda de todos os membros, para que a união de corações e de almas para Deus, prescrita por ele mesmo Agostinho na Regra, se observe e cresça entre os seus filhos. Consequentemente, todos nós, mas de modo especial os Superiores, devemos oferecer a assistência espiritual possível para que todas as partes ou ramos da Ordem floresçam, e renovando-se se multipliquem de dia para dia para o maior bem da Igreja e honra da Ordem.

O Prior Geral, como cabeça moral de toda a Família Agostiniana, os Priores Provinciais e os demais Superiores, de comum acordo com os Moderadores Gerais dos diversos ramos da Família Agostiniana, esforçam-se por convocar frequentemente conferencias ou encontros, tanto internacionais como territoriais, já que podem contribuir muito para lograr mais plenamente o fim de toda a Ordem e de cada um dos Institutos, já que se trata de comum acordo de renovar o espírito, a actividade apostólica e o culto divino, especialmente o litúrgico.

 

Como?

As Fraternidades agostinianas seculares, de grande tradição na Ordem, congregam fiéis de ambos os sexos que, mantendo a sua própria condição laical, querem ser fiéis à vocação cristã inspirando-se na tradição agostiniana. Querem instaurar a união de corações e tentam formar um grupo que seja uma forma concreta da sua presença activa na Igreja, de viver a espiritualidade agostiniana e de contribuir para a edificação da cidade de Deus no mundo. Aos que aderem a estas Fraternidades é-lhes dada uma sólida formação teológica, ética e social, juntamente com uma profunda instrução, corroborada pela experiencia, na espiritualidade agostiniana. Estas Fraternidades regem-se por Estatutos próprios, aprovados pelo Prior Geral e confirmados pela Sede Apostólica.

A constituição de uma Fraternidade é da responsabilidade do Prior Geral, que é quem dá o correspondente decreto. Para a edificação canónica de uma Fraternidade agostiniana é necessário: a) Petição escrita por algum Superior Maior da Ordem; b) Consentimento do Ordinário do lugar, se não existe na diocese uma comunidade agostiniana canonicamente erigida (CIC 312 § 2); c) Aprovação do Prior Geral, que também aprovará, por si mesmo ou por delegação, os Estatutos da Fraternidade. O que fazer é determinado pelos nossos objectivos: FORMAR um espírito evangélico fomentando valores agostinianos genuínos. Interioridade: mediante a oração, leitura e meditação da Palavra de Deus e os comentários que Santo Agostinho faz a essa Palavra. Amizade: criando vínculos de verdadeira amizade em Cristo mediante reuniões, palestras, convívios. Solidariedade e Serviço: A nossa vivencia do amor cristão faz-nos ser solidários com todos os homens, especialmente os mais necessitados. Prestando Serviço e colaborando em todas as actividades paroquiais onde estamos vinculados. ESQUEMA DE REUNIÃO 1. ORAÇÃO Iniciar sempre a reunião com um tempo de oração. Pode-se começar por orações simples, leitura da Palavra de Deus e um espaço para a reflexão, texto e comentários sobre algum texto de santo Agostinho, liturgia das Horas... 2. ESTUDO OU FORMAÇÃO O tema é estudado, previamente, por cada membro da Fraternidade. Alguém apresenta o tema segundo a sua óptica pessoal. Dialoga-se. Pode-se convidar especialistas. Tão importante como a fidelidade ao tema fixado, é a flexibilidade para modificá-lo quando haja razões que o justifiquem. 3. REVISÃO DE COMPROMISSOS E PROGRAMAÇÃO A reunião não deve terminar sem decisões concretas. Decidir quem vai apresentar o tema para o próximo dia, a oração ou celebração por motivo de uma festa ou tempo litúrgico... Pode-se analisar, igualmente, tarefas concretas no âmbito familiar, profissional, paroquial... Toda a Fraternidade, ou alguns membros, colaboram habitualmente na pastoral diocesana, na Paróquia, no Colégio, num voluntariado de carácter social... O que estamos a fazer e como fazemos? Podemos prestar-nos a outras colaborações com a Igreja local, a Ordem Agostiniana...? A revisão e avaliação dos compromissos comuns contribuem para promover a co-responsabilidade. É recomendável que cada Fraternidade tenha uma quota económica fixa. É uma contribuição com diversos objectivos: Partilhar algum dos nossos bens, contar com um fundo comum que pode ter vários destinos (fundo de solidariedade, actividades da Fraternidade, gastos comuns…), material de pertença do grupo. Actividades: Reuniões semanais de formação. Celebração festiva de aniversários com Eucaristia e merenda da Fraternidade Convívios nos tempos litúrgicos do Advento e da Quaresma. Exercícios Espirituais anuais. Excursões...